Capítulo amostra de AS TRANÇAS DO PODER

31

                 

                         Maria da Anunciação passou a noite embatucada com a cena na Rua Buenos Aires. Na vida toda, lidando com doidos, mansos e violentos, sempre encontrou uma resposta científica. Mesmo para o caso de Tarquínio, que na época a impressionou bastante, ela tinha achado boas explicações científicas. Até então, via Maria Amélia apenas como uma pessoa extremamente inteligente e que, não poucas vezes, debochava das fantasias do pai homicida. A cena no apartamento do Dr. Fábio da Mata revelou-lhe uma nova Maria Amélia, assumindo sua excepcionalidade que ia além de qualquer explicação racional. Teria de voltar a conversar com o especialista em reencarnações, a sós, para tirar a limpo uma série de dúvidas. Na manhã do dia seguinte, pouco depois de tomar café, telefonou para marcar um encontro com o velho da Buenos Aires e para lá foi, na mesma manhã. Não queria deixar o assunto esfriar.

                        Foi com um sorriso matreiro que o doutor Da Mata a recebeu, pedindo à sobrinha que os deixassem a sós. Foi ele quem iniciou a conversação:

                   - Então, doutora, agora está convencida de que elas existem?

                   - Elas quem?

                   - As bruxas. Não é sobre a nossa menina de tranças que a senhora veio falar comigo?

                   - Claro. E não vou negar que saí daqui perturbada. Conheço bastante a Maria Amélia, desde quando nasceu. Sempre a considerei uma pessoa excepcional, privilegiada, mas a cena aqui no apartamento ultrapassou todas as minhas previsões. O doutor me perdoe, mas o que presenciei foi uma cena de fascínio mútuo, parecia um namoro energético, se assim podemos dizer.

                   Doutor Da Mata apenas sorriu e fez sinal para que a psiquiatra prosseguisse.

                   - Nunca tinha visto isso em toda minha vida. E, mais uma vez, o doutor me desculpe, mas era ela quem comandava o espetáculo. A pirralha mal saída da universidade nos colocando como meros espectadores de sua performance. Tentei, durante toda a noite, encontrar uma explicação plausível, mas confesso que não encontrei. Desculpe-me, mas minha formação proíbe-me acatar a teoria da reencarnação, ainda que elaborada por mentes brilhantes como a sua. Tem de haver uma explicação científica. Impossível que não haja.

                   O especialista em reencarnações continuava calado e sem mudar o sorriso benevolente. Maria da Anunciação explodiu:

                   - Fale, por favor, fale alguma coisa! Somos dois adultos com longos anos de batuta na profissão mais difícil do mundo, que é entender os meandros da mente humana. Ela mal deixou de trocar fraldas, não pode nos dar aulas como se fôssemos dois inexperientes saídos da universidade. Os papéis estão invertidos. Não pode ser. Não posso aceitar e, pior, muito pior, eu não consigo entender.

                   Fábio da Mata segurou os braços da psiquiatra, tentando acalmá-la, e falou com a tranquilidade de quem, talvez, fosse uma alma com a experiência de várias reencarnações ou o diabo que fosse:

                   - Minha cara Dra. Anunciação, a senhora está errada e ainda que seja muito difícil aceitar, não há como fugir às evidências de que nossa querida Maria Amélia está num plano muito mais elevado do que o nosso. Sua idade nessa vida atual é ainda curta, mas o acúmulo de experiências em reencarnações passadas está muito além do nosso. Ela traz consigo a verve das mulheres sábias que guiaram a humanidade em seus primórdios, está acima do bem e do mal, como nós os entendemos. Não queira competir com ela, não temos cabedal para isso. A senhora e eu somos apenas bons profissionais, diligentes estudiosos. Ela é muito mais do que isso.

                   - Às vezes, ela pode ser malvada. Eu diria até cruel. Via-se em seu rosto o prazer de nos ter na palma de sua mão.

                   - Maldade, crueldade, bondade... São conceitos deformados por nossa percepção humana, terrena. Nas grandes religiões ocidentais - judaísmo, cristianismo e islamismo - a fé repousa em um só Deus que, na maioria das vezes, é muito cruel, à imagem e semelhança de seus criadores, poderíamos dizer; vingativo. O Deus da Bíblia, e também do Alcorão, é extremamente vingativo, sem perdão para os que duvidam de sua autoridade suprema. Mesmo Jesus, visto como um reformador, que teria vindo para aplacar a ira divina do Velho Testamento, não concilia com os incrédulos. Está lá no Livro de Mateus, capítulo 8, versículo 12: “E os filhos do reino (os incrédulos) serão lançados nas trevas exteriores. Ali, haverá pranto e ranger de dentes”. Enfim, o Deus único que governa todo o Universo - ainda que desse só conheçamos uma ínfima parte, mesmo para a mais elaborada ciência - está impregnado de sentimentos humanos, entre eles a vaidade suprema de punir quem ousar duvidar dele e adorar outros deuses possíveis. É o primeiro mandamento da tábua de Moisés.

                   - Pensei que o senhor fosse kardecista e, portanto, cristão.

                   - Enganou-se a doutora. Talvez eu possa até mesmo ser considerado um materialista, sendo a alma uma espécie de quintessência da matéria.

                   - Realmente, o doutor me surpreende. Não me lembro de ter lido nada disso em seus livros.

                   - E não leu mesmo. Não me atrevi a escrever. O conceito é tão perturbador, ainda que remonte a Aristóteles, passando por físicos modernos no afã de explicar o universo em que vivemos e que estão ainda embasbacados diante das possibilidades abertas, por exemplo, pela física quântica. Não me sinto à altura de destrinchar o que é a alma humana, procuro apenas entender suas manifestações neste minúsculo planeta chamado Terra.

                   - E Maria Amélia, poderia escrever a respeito?

                   - Ah, Dra. Anunciação, a vã vaidade. Desligue-se um pouco dela. Não tente competir com a nossa bruxinha. Melhor continuar sendo uma privilegiada que conta com sua amizade. Diria mais, aproveite seus ensinamentos, goze com a convivência com um ser tão excepcional. Não posso lhe explicar com fórmulas e gráficos, mas eu sei que ela está um passo adiante de nós. Somos ainda simples seres humanos. Tenho a impressão de que ela já é algo mais do que isso.

                   A Dra. Maria da Anunciação voltou para casa ainda mais perturbada.

 

Cilique em CIBERLIVRARIA para voltar à página principal

SIGA-ME

  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • c-youtube